A terceira mulher e a negação da existência de uma origem sócio-histórica de raiz patriarcal de Lipovetski

Autores

  • Neusa Schnorrenberger

Palavras-chave:

A terceira mulher, Gilles Lipovetsky.

Resumo

O presente estudo parte de uma análise hipotético-dedutiva embasadas em leituras específicas voltadas ao gênero ou sexualidade, de modo mais atentado para com a obra A terceira mulher: permanência e revolução do feminino, de autoria do professor francês Gilles Lipovetsky (2000). Suscitando a hipótese de que a terceira mulher ou a nominada pelo autor de indeterminada, a mulher moderna, contemporânea, de “querer” ser/estar no papel multifuncional, uma profissional competente, que abraça as obrigações domésticas, de esposa e com um desejo de dedicação extrema em criar seus filhos, sem estar imbuída do vetor histórico cultural patriarcal? Por conseguinte, a linha condutora da reflexão proposta irá abranger dois aspectos, a iniciar pela abordagem das mulheres apresentadas na obra de Gilles Lipovestsky, para, em seguida, atentar para elementos que compõe a negação de uma origem sócio-histórica de raiz patriarcal na terceira mulher.

Downloads

Publicado

2021-09-02

Como Citar

Schnorrenberger, N. (2021). A terceira mulher e a negação da existência de uma origem sócio-histórica de raiz patriarcal de Lipovetski. COISAS DO GÊNERO: REVISTA DE ESTUDOS FEMINISTAS EM TEOLOGIA E RELIGIÃO, 7(1), 37–53. Recuperado de http://revistas.est.edu.br/index.php/genero/article/view/847