DA DESCOLONIZAÇÃO EPISTEMO-POLÍTICA: REFLEXÕES DESDE OS CASOS BRASILEIRO E BOLIVIANO PARA UMA AGENDA POLÍTICA INTERCULTURAL

Autores

  • Cristian Jobi Salaini
  • Enrique Polto Taborda

Palavras-chave:

Brasil, Bolívia, Constituição, Colonialidade, Interculturalidade

Resumo

Este artigo propõe-se criar uma reflexão comparativa a partir de nosso trabalho de campo junto às comunidades quilombolas no Brasil e de nosso esforço de pesquisa sobre o processo constituinte na Bolívia (ocorrido entre 2006 e 2009). Primeiramente, expomos de forma breve os contextos de reconhecimento das comunidades quilombolas no Brasil e dos direitos dos povos indígenas na Bolívia. Em seguida, abordamos os dilemas e os limites deste reconhecimento que “esbarra” nos limites da colonialidade do poder. A abordagem, portanto, lida aqui com um processo absolutamente incompleto no que diz respeito às relações interculturais, no qual a radicalidade dos saberes indígena e quilombola não é levada até as últimas consequências – embora se note, no caso boliviano, um diálogo mais amplo, que se propõe, com maior ou menor sucesso, ir além do paradigma do “multiculturalismo” para um de pluralismo ontológico.

Downloads

Publicado

08/10/2021

Como Citar

Cristian Jobi Salaini, & Enrique Polto Taborda. (2021). DA DESCOLONIZAÇÃO EPISTEMO-POLÍTICA: REFLEXÕES DESDE OS CASOS BRASILEIRO E BOLIVIANO PARA UMA AGENDA POLÍTICA INTERCULTURAL. Indentidade!, 23(2), 97–116. Recuperado de http://revistas.est.edu.br/index.php/Identidade/article/view/744

Edição

Seção

DIVERSIDADE E IDENTIDADE